Pesquisar este blog

Pesquisar este blog

4 de out de 2012


O que escondem do público: Gemini


O projeto Gemini foi o segundo programa de vôos espaciais humanos da Nasa, a agência espacial civil do governo dos Estados Unidos. O projeto Gemini foi realizado entre os projetos Mercury e Apollo, com 10 vôos tripulados ocorridos em 1965 e 1966. Seu objetivo era desenvolver técnicas para avanços de viagens espaciais, nomeadamente as necessárias para a Apollo, cujo objetivo era a ida do homem na lua. AS missões Gemini incluiu tempo suficiente para uma viagem à Lua e retornar, os primeiros passeios espaciais americanos, e novas manobras orbitais inclusive o encontro e acoplamento. Todas as missões tripuladas, Gemini utiliza reforços do Titan II GLV.

Gemini- 4

Em Junho de 1965, o major James McDivitt viu, filmou e fotografou um objeto, que se aproximou da da cápsula em que eles estavam em órbita da Terra, passando sobre o Havai.



Segue o trecho do Major James McDivitt:

"Eu estava voando com Ed White. Ele estava dormindo na hora, então eu não tenho ninguém para verificar a minha história. Ficámos à deriva no espaço com o controle de motores de desligar a toda a instrumentação quando, de repente um objeto apareceu na janela. Tinha uma forma muito clara - um objeto cilíndrico - era branco. - ele tinha um braço longo que saía do lado, eu não sei se era um objeto muito pequeno de perto ou muito grande objeto de um longo caminho. Não sei de nada parecido. Eu realmente não sei o quão grande ele era. Nós tínhamos duas câmeras que eram estavam flutuando na nave espacial, no momento, então eu peguei uma e tirei uma foto do objeto e peguei outro. Então eu liguei o controle de foguetes, porque eu tinha medo que pudessem atingi-lo. No momento em que estavam à deriva, sem verificar, não tenho idéia de qual caminho que estávamos indo, mas como nós derivamos um pouco mais, o sol brilhava na janela da nave espacial. Então eu tinha o controle dos motores do foguete que vai outra vez e moveu a nave espacial de modo que a janela estava na escuridão novamente, o objeto se foi, eu liguei mais tarde e disse-lhes o que tinha acontecido e eles voltaram e verificaram seus registros de detritos espaciais de outras naves que estava voando ao redor, mas nunca fomos capazes de identificar o que poderia ter sido.

Gemini- 5

Dois meses após o vôo da Gemini 4, houve a missão Gemini 5, com os astronautas Leroy Gordon Cooper Jr. e Charles Conrad Jr. Esta missão tinha como objetivo treinar acoplamento espacial, no entanto, uma série de panes fez a missão fracassar. No dia 24 de agosto de 1965, três objetos não identificados foram observados pelos astronautas sobre a região do Himalaia. Este objeto foi fotografado pelos astronautas. Foram observados ainda, objetos estranhos sobre a região da Austrália, Ásia Oriental, e China.

A NASA censurou os comentários alegando que não havia nada de extraterrestre envolvido.


Gemini- 7

Em Dezembro de 1965 a bordo Gemini 7, os astronautas James (Jim) Lovell e Frank Borman testemunharam um OVNI no espaço durante a segunda órbita do vôo de 14 dias. Frank Borman relatarou ter visto uma nave espacial não identificada uma distância de sua cápsula.

Jim Lovell fez comunicação com o controle e revela que eles estão tendo vários avistamentos de ovnis e não o reforço da fase final do foguete Titan, usada para lançá-los no espaço.
Frank Borman disse que ele podia ver o reforço, e também foi ver outra coisa alem da fase final do foguete Titan.


Gemini- 11

Em 13 setembro de 1966 durante a missão Gemini 11 os astronautas, Charles "Pete" Conrad e Richard Gordon Jr, avistaram um objeto que não conseguiram identificar. De acordo com Mallan, o astronauta Gordon afirmou que o objeto foi visto pela primeira vez fora de sua janela esquerda, "voou para fora na frente de nós e depois nós perdemos quando ele caiu na frente de nós." Essa direção de movimento é de aproximadamente oposta à do próton 3 de acordo com o relatório NORAD citado no artigo do Mallan.

Assim, temos inconsistência de que a Proton estava por trás da nave Gemini e, o objeto não foi sequer sequer na direção do satélite de protões e de reforço. De acordo com Mallan, NORAD alegaram que não estavam monitorando qualquer coisa na frente da cápsula espacial. Assim, por todas estas razões, o objeto não poderia ter sido a Proton.

Nenhum comentário:

Postar um comentário